[vc_row][vc_column][vc_column_text]

Autocura: o que é, e como você pode se curar

Olá! Gratidão por ter você aqui mais uma vez!

Não seria ótimo se pudéssemos nos “auto curar”? Ter as ferramentas, os “remédios” e a forma de fazer, ao alcance das nossas mãos? Pois não precisa apenas sonhar, você tem tudo isso. E não se preocupe, esse não é mais um texto que diz para você “pensar positivo que tudo se resolve”! É claro que contribui (e muito!), mas aqui iremos mais fundo nessa busca interior…[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Os desequilíbrios acontecem com todos nós e durante toda nossa vida. Uma doença é consequência ou sinal de um desequilíbrio, assim como um sentimento indesejado ou que nos traga um certo incômodo.

A autocura é um caminho para o equilíbrio, é harmonizar o seu corpo físico, mental, emocional e espiritual. Estando tudo em equilíbrio, não ficamos doentes constantemente, não nos sentimos com baixa energia e disposição, nos sentimos mais dispostos a fazer o que mais amamos, a cuidar de nós mesmos e dos outros.

Todos temos o “Eu Curador”, como denominam Deepak Chopra e Rudolph E. Tanzi em seu último livro “Você é a Sua Cura”. Mas para que isso seja possível, é necessária a expansão da consciência pois, se não temos consciência do nosso poder, não podemos evoluir. Se não nos conhecermos, não alcançaremos plenamente essa capacidade. E a maioria das pessoas não tem consciência de sua possibilidade de autocura.

O propósito maior da humanidade é essa expansão da consciência, é o despertar do amor, o olhar para dentro, conhecer a si mesmo, e compartilhar seus dons com o próximo. É daí que vem a importância do autoconhecimento na autocura: como se curar se você não conhece a causa daquilo que te afeta? Como se curar se não conhece a si mesmo?

Para essa busca mais profunda, esse olhar para si, existem hoje diversas técnicas, terapias, métodos, livros, filmes, etc… A meditação é como se fosse o primeiro passo, é seu primeiro degrau nessa caminhada. Há que se chamar a atenção para o fato de que “olhar para dentro” e meditar, nem sempre será um “mar de rosas”. É preciso investigar, olhar para onde nunca quisemos olhar, para encontrar as causas de nossos problemas.

Louise Hay nos demonstrou, com anos de experiência e estudos, que nossos desequilíbrios, seja no corpo físico, emocional ou espiritual, derivam de nossas crenças adquiridas ao longo da vida, e também de nossos pensamentos. Cada pensamento que temos está criando nosso futuro. Daí a importância do pensar positivo. No entanto, é preciso mais do que isso, é preciso agir, é preciso investigar nossas crenças limitantes, transmutá-las, e agradecer por todo aprendizado.

É preciso identificar quais são as crenças que nos limitam, como por exemplo, “eu não sou bom o suficiente”, ou “eu sempre fui muito frágil”, etc, e ao encontrá-las, mudar esse padrão de pensamento. Quando nós nos amamos, nos aceitamos e aprovamos a nós mesmos, tudo na vida funciona, e até mesmo a nossa saúde melhora.

Como fazer?

Então, como você pode se curar? Uma das formas para se praticar a autocura, que é acessível a todos, é o Reiki. Trata-se de uma técnica que não é nem religião e nem uma simples crença, e sim um método de harmonização do nosso equilíbrio, que atua repondo a energia da qual precisamos. O Reiki atua tanto para prevenir quanto para recuperar a saúde.

Já existem diversos estudos científicos, inclusive no Brasil, que comprovam a eficácia desta técnica japonesa, que foi descoberta por Mikao Usui no início do século XX. Além disso, o Reiki é reconhecido pela Organização Mundial da Saúde e foi também recentemente inserido no Sistema Único de Saúde (SUS) como uma das práticas terapêuticas integrativas que auxiliam no tratamento dos pacientes.

Quem é iniciado no Reiki, estará apto a fazer a autoaplicação da técnica. Portanto, recebe através das próprias mãos a cura advinda da energia Universal. É um excelente método de autocura que alivia dores, expande a consciência, traz mais clareza, auxilia no tratamento de doenças, promove um relaxamento, reduz consideravelmente o estresse e a ansiedade, promove o bem-estar, melhora a imunidade, dentre outros efeitos sentidos por milhares de pessoas pelo mundo.

Ao se curar através do Reiki, você também promove o bem de todos a sua volta, além de poder também aplicar a técnica em seus familiares, amigos, e até mesmo animais de estimação.

Aqui temos alguns depoimentos recentes de praticantes de Reiki, que nos demonstram a força dessa técnica:

“Boa tarde, queria contar algo que aconteceu há pouco comigo. Eu estou numa clínica com meu pequeno esperando pra fazer o último exame dele. Junto comigo está uma outra mãe com sua filha também esperando. Só que a filha dela tem autismo e começou a ficar muito nervosa, gritando, se debatendo. Eu visualizei o símbolo do Cho Ku Rei em cima da cabeça dela e no mesmo instante ela ficou em silêncio. Eu senti meu peito muito quente e uma vibração intensa na minha cabeça. A sensação que eu tenho é que ainda que eu não use/ative o quarto símbolo todos os outros estão potencializados. Foi muito rápido essa resposta. Eu estou impressionada de verdade. Ela adormeceu no colo da mãe. Ser canal de uma energia como essa é muito gratificante. Deus é perfeito”. Danielle Baptista, aluna de Reiki do Espaço Aroma de Flor.

“Bom dia, meus amigos!!!! Ontem eu fiz um procedimento que já estava prorrogando há 15 anos: uma extração dentária com enxerto ósseo. Estava bem tensa. No caminho dentro do ônibus, fui fazendo a autoaplicação. Chegando lá fui visualizando os símbolos na sala, fazendo Cho Ku Rei no teto quando já estava na cadeira, acima da cabeça das duas cirurgiãs que estavam me assistindo, enfim….tudo correu muito bem. Continuei aplicando Reiki no local. Não precisei usar o analgésico prescrito e, não tenho hematoma, inchaço, nada.” Inês Godinho, aluna de Reiki do Espaço Aroma de Flor.

É uma energia maravilhosa e ao alcance de todos, não importa a idade, religião, gênero nem qualquer outro fator. Apenas estar de coração aberto e disposto a propagar essa luz!

Além do Reiki, os Florais e a Aromaterapia também são técnicas excelentes para te auxiliar na autocura, no autoconhecimento e na expansão da consciência. No caso dos Florais, não existem contraindicações e você pode tanto procurar um terapeuta floral, quanto pode estudar e saber mais sobre as essências das flores e os seus benefícios. Elas também atuam na causa dos nossos desequilíbrios, e vão nos auxiliando a curar emoções, sentimentos e desequilíbrios físicos que surgem na nossa caminhada.

Já na Aromaterapia, é necessário um estudo e um cuidado mais detalhados, já que o Aromaterapeuta se aprofunda para conhecer e saber qual óleo essencial é possível indicar para cada pessoa. Ainda assim, existem alguns óleos mais famosos, como a Lavanda, por exemplo, que possui um efeito calmante, auxiliando até mesmo nos momentos de insônia.

Práticas de autocura

Além das técnicas que falamos acima, é essencial que tenhamos uma vida equilibrada. E aqui, equilíbrio é relativo, pois dependerá da fisiologia, do mental e do emocional de cada um.

A questão é viver sem exageros, procurar olhar para si e ter hábitos que nos deixem bem e felizes.

Mudanças na alimentação, a utilização de chás e ervas naturais, a qualidade dos alimentos, uma rotina diária de exercícios (mesmo que simples, como uma caminhada), e a m

editação. Esses são alguns hábitos aplicados há muito tempo na medicina oriental, que mantém em equilíbrio e harmonia os seres humanos. Esse estilo de vida visa trazer tranquilidade para o seu dia a dia. “No Ayurveda, o requisito mais importante para a cura de qualquer desordem orgânica é um nível profundo e completo de relaxamento” (Deepack Chopra, em seu livro “A cura quântica”).

O nosso corpo sabe como manter o equilíbrio. Porém, quando estamos doentes, é necessário que façamos tudo o que esteja ao nosso alcance para restaurar esse estado natural. Assim, as práticas saudáveis agem nesse sentido, e também como prevenção de qualquer outro problema no organismo.

Práticas para que você possa começar hoje mesmo:

        • Ajudar alguém
        • Fazer alguém rir
        • Apreciar uma paisagem
        • Meditar
        • Caminhar junto a natureza
        • Perdoar alguém
        • Se alimentar de frutas e verduras de qualidade
        • Incluir alimentos orgânicos nas compras
        • Eliminar o excesso de açúcar
        • Tomar banhos de sol
        • Fazer uma aula de yoga
        • Programar um tempo para ficar em silêncio e sossegado
        • Praticar a respiração consciente
        • Receber ou praticar Reiki
        • Dançar
        • Fortalecer um vínculo com a família ou amigos
        • Melhorar a qualidade do sono
        • Ter uma rotina para dormir
        • Andar cinco minutos a cada hora de trabalho
        • Subir de escadas em vez do elevador
        • Caminhar
        • Escrever os motivos pelos quais você é grato em sua vida
        • Ler um livro
        • Praticar afirmações positivas
        • Etc…

        Esses são apenas alguns exemplos. A abundância do Universo está aí para que você possa desfrutar. Seu corpo foi feito do jeito que ele deveria ser, funciona como uma perfeita “máquina” da natureza. Você só precisa ativar esse poder. O equilíbrio nasceu com você, e só você pode restaurá-lo!

        Cure e ame a si mesmo! Você é sua melhor companhia!

        Namastê!
        Ana Carolina Reis
        www.evoluirjuntos.com

        Referências:
        Louise Hay, “Você pode curar a sua vida – como despertar ideias positivas, superar doenças e viver plenamente”. Editora Best Seller, 8ª edição.
        Deepack Chopra; Rudolph E. Tanzi, “Você é a sua cura – 7 passos para turbinar a imunidade e ter saúde a vida inteira”. Ed. Alaúde.
        Deepack Chopra, “A cura quântica – o poder da mente e da consciência na busca da saúde integral”. Ed. Best Seller, 2ª edição, 1989.

        Alguns estudos científicos sobre o Reiki:
        Em português:
        http://www.scielo.br/pdf/tce/v23n4/pt_0104-0707-tce-23-04-01032.pdf
        Em inglês:
        http://www.healthma.bizland.com/reiki/reiki%20for%20heart.pdf
        https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21998438

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

3 Comments

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conteúdo protegido